29_Museu

Missão

O Arquivo Nacional de Cabo Verde tem por missão a incorporação, inventariação, conservação, catalogação, divulgação e a fruição do património arquivístico nacional, nos domínios do conhecimento, independentemente do tipo de suporte, promovendo a implementação do Sistema Nacional de Arquivo e a sua sustentabilidade

Visão

O ANCV tem como visão, incorporar, inventariar, conservar, restaurar, digitalizar, armazenar e disseminar os fundos, transformando o Arquivo Nacional num espaço de produção de conhecimento digital (era digital), salvaguardando as memórias históricas e do nosso legado patrimonial para as gerações vindouras, quer em suporte papel quer em suporte digital, promovendo a democratização dos seus acervos através da criação do Sistema Nacional dos Arquivos (arquivos em rede), fazendo do ANCV uma referência na valorização do património documental cabo-verdiano, no país, na diáspora, e nas comunidades em que está inserido.

 

 

Valores

Para uma atuação mais consentânea com os novos desafios propostos no referido Plano de Desenvolvimento Sustentável do Governo da IX Legislatura, o ANCV deve aprimorar o seu desenho, criando um novo modelo de gestão, impondo assim, o reconhecimento de valores cruciais da democracia, liberdade e direitos humanos. Assim, os valores abaixo consubstanciam a promoção do ANCV, numa perspetiva articulada e de progresso dos seguintes conceitos:

envolvência total dos funcionários no processo de gestão e nas atividades do ANCV, dentro do quadro legal vigente, criando um manual de procedimento dos funcionários e código de ética.

Promover a reciclagem dos técnicos de arquivo, nas áreas, arquivística, histórica, antropológica, sociológica e patrimonial. Recrutar técnicos profissionais e superiores especializados, principalmente, nos domínios da informática e das TIC’s.


O Arquivo Nacional de Cabo Verde deve assegurar a preservação e a democratização patrimonial, através da modernização de todos os seus setores e serviços, com recurso às novas tecnologias de informação e comunicação, e ainda elaborar projetos inovadores e criativos, capazes de defender os direitos universais do homem; e criar um aplicativo móvel que nos ajude a divulgar a missão do Arquivo Nacional, reforçando os seus canais de disseminação, como site e facebook.

O Arquivo Nacional promove a igualdade de oportunidade e democratização do conhecimento a todos, contemplando em especial os pesquisadores desfavorecidas, das comunidades periféricas, rurais, periurbanas, e com necessidades especiais (criar rampas de acessos para esses utentes e idosos, bem como criar condições de acesso para os invisuais e surdos-mudos).

Considerando o potencial do Arquivo Nacional de Cabo Verde em constituir-se num Instituto do Arquivo Nacional, ambiciona-se a efetivação do Sistema Nacional de Arquivos (criando a Rede de Arquivos Municipais e Regionais em conexão com a Rede de Arquivos dos Ministérios, Institutos, Universidades e Escolas, e ainda com as Redes Internacionais Arquivísticas, das Universidades Internacionais, com outros Arquivos da CPLP, dos PALOP e os da MACARONÉSIA ou CIA-Rede Unesco). Esta ambição, também vai ao encontro às pretensões destas comunidades saídas dos recentes rendez-vous de maio de 2018, em Portugal (CPLP) e nas Canárias (Tenerife). Outra legitima ambição é promover um debate durante a Presidência de Cabo Verde na CPLP, em prol da criação do Arquivo Digital da CPLP, com a indexação dos fundos digitalizados dos arquivos nacionais de cada Estado Membro.

Estimular a participação do ANCV e dos seus técnicos nas Conferências, Fóruns e Encontros Internacionais, propiciando uma maior promoção do ANCV e da cultura cabo-verdiana.

Afiançamos que o ANCV poderá ser uma instituição que promova o reforço da nossa Identidade Cultural, sendo assim uma referência nacional na valorização do património documental.