———————————–     Missão      ———————————–

O Instituto do Arquivo Nacional de Cabo Verde(IANCV) tem por incumbência a incorporação, inventariação, conservação, catalogação, divulgação e a fruição do património arquivístico nacional, nos domínios do conhecimento, independentemente de suporte. De acordo com os Estatutos em vigor, o IANCV tem ainda a atribuição de promover a implementação do Sistema Nacional de Arquivo.


     ————————————     Visão      ————————————

IANCV deve no âmbito da sua missão atingir as grandes metas, de inventariar, conservar, restaurar, digitalizar, armazenar e disseminar os seus fundos, ou pelo menos, os mais importantes, até 2030; a de o transformar num espaço de produção de conhecimento digital (era digital); a de salvaguardar as memórias históricas e do nosso legado patrimonial para as gerações vindouras, quer em suporte papel, quer em suporte digital; a de democratização dos seus acervos através da criação do Sistema Nacional dos Arquivos (arquivos em rede); e, também, fazer da instituição uma referência na valorização do património documental cabo-verdiano, em todo o país, na diáspora, e nas comunidades em que Cabo Verde está inserido.


     ———————————     Valores      ———————————

Para uma atuação mais consentânea com os novos desafios propostos no Plano de Desenvolvimento Sustentável do Governo da IX Legislatura, o IANCV deve aprimorar o seu desenho, criando um novo modelo de gestão, impondo assim, o reconhecimento de valores cruciais da democracia, liberdade e dos direitos humanos. Assim, os valores abaixo consubstanciam a promoção do IANCV, numa perspetiva articulada e de progresso dos seguintes conceitos:

  1. • Participação – envolvência total dos funcionários no processo de gestão e nas atividades do IANCV, dentro do quadro legal vigente, criando um manual de procedimento dos funcionários e código de ética.

  2. • Formação – promover a reciclagem dos técnicos de arquivo, nas áreas, arquivística, histórica, antropológica, sociológica e patrimonial. Recrutar técnicos segundo item.

  3. • Inovação – o Instituto do Arquivo Nacional de Cabo Verde deve assegurar a preservação e a democratização patrimonial, através da modernização de todos os seus setores e serviços, com recurso a novas tecnologias de informação e comunicação e a projetos inovadores e criativos, capazes de defender os direitos universais do homem; criar um aplicativo móvel que nos ajude a divulgar a missão do Arquivo Nacional e reforçar os seus canais de disseminação, como site e facebook.

  4. • Inclusão – o Arquivo Nacional promove a igualdade de oportunidade e democratização do conhecimento a todos, contemplando em especial os pesquisadores desfavorecidas das comunidades periféricas, rurais e periurbanas, e com necessidades especiais; e criar rampas de acessos para os utentes cadeirantes e idosos.

  5. • Ambição – considerando o potencial do Arquivo Nacional em constituir-se num Instituto do Arquivo Nacional, ambiciona-se a efetivação do Sistema Nacional de Arquivos (criando a Rede de Arquivos Municipais e Regionais em conexão com a Rede de Arquivos dos Ministérios, Institutos, Universidades e Escolares, e ainda com as Redes Internacionais Arquivísticas, das universidades, nacionais e estrangeiras, outros Arquivos, designadamente os da CPLP, dos PALOP e os da MACARONÉSIA ou CIA-Rede Unesco). Esta ambição, também vá ao encontro às pretensões destas comunidades saídas dos recentes encontros de maio de 2018, em Portugal (CPLP) e nas Canarias (Tenerife). Outra legitima ambição é promover um debate durante a Presidência de Cabo Verde na CPLP, em prol da criação do Arquivo Digital da CPLP, com a indexação dos fundos digitalizados dos arquivos nacionais de cada Estado Membro.

  6. • Internacionalização – estimular a participação do IANCV e dos seus técnicos nas Conferências, Fóruns e Encontros Internacionais, em parcerias nacionais da diáspora e/ou estrangeiras, propiciado uma maior promoção da cultura cabo-verdiana.

  7. • Orgulho Nacional – afiançamos que o IANCV poderá ser uma instituição que promova o reforço da nossa Identidade Cultural, sendo assim uma referência nacional na valorização do património documental..