O Instituto do Arquivo Nacional de Cabo Verde e o trabalho de Digitalização

 

A Oficina de Microfilmagem do Instituto do Arquivo Nacional de Cabo Verde foi criado em finais de 1995, no âmbito de um projeto financiado pela Missão Francesa de Cooperação. Em finais 2005, foram instalados os equipamentos de digitalização na dita Oficina de Microfilmagem, adquiridos no quadro do projeto de Cooperação Portuguesa/IPAD. Devido a avaria do equipamento de microfilmagem, hoje, todo o trabalho de preservação do suporte reside na técnica de digitalização, embora seja possível consultar os diversos microfilmes produzidos com jornais antigos, livros/registos de batismos, de casamentos, de óbitos, e outros.

A Digitalização é o processo pelo qual uma imagem ou sinal analógico é transformado em código digital. Isso é feito através de um equipamento e software digitalizador de imagens, o scanner.
Atualmente a Oficina de Digitalização funciona com dois scanners A3 e conta com o apoio de dois Técnicos Profissionais de Arquivos que receberam uma formação em digitalização, aquando da instalação dos equipamentos.
O trabalho desenvolvido pelos dois técnicos visa: conservar e evitar o manuseamento do documento original; tornar o acesso aos documentos mais célere, por parte dos utilizadores do IANCV e divulgar de forma eficiente e eficaz o acervo documental.
A digitalização de documentos obedece a um conjunto de requisitos previamente estabelecidos, seguindo normas e recomendações internacionais.